01_final.png
02_final.png
MH1921_final.png
MHA_final.png
01_final.png

MELLEO HARMONIA I INTRO


SCROLL DOWN

MELLEO HARMONIA I INTRO


 

Em 1690 nasce, na cidade de Roma, uma das mais emblemáticas Academias Literárias da História Ocidental, a Accademia dell’Arcadia

Congregando individualidades dos mais variados quadrantes, por ela passaram nomes como o da Rainha Maria Casimira da Polónia, do Príncipe Ruspoli, do Cardeal Ottoboni, eminentes diplomatas portugueses, bem como de compositores reconhecidos, como Francesco Gasparini, Alessandro e Domenico Scarlatti, ou mesmo Haendel, entre muitas outras personalidades.

De entre os seus membros destaca-se um em particular: D. João V de Portugal.
Iniciado pastor arcádico no ano de 1721, é-lhe atribuído o nome simbólico de ARETE MELLEO, antes pertencente ao Papa Clemente XI.

O nome MELLEO HARMONIA surge em homenagem à grandeza intelectual que as academias literárias encerram no seu espírito.

 
02_final.png

MELLEO HARMONIA I SOBRE


MELLEO HARMONIA I SOBRE


 
 
 

Fundado e dirigido por Jenny Silvestre, MELLEO HARMONIA é o grupo residente da Academia Portuguesa de Artes Musicais.

Assumindo uma geometria flexível, congrega alguns dos mais reconhecidos solistas da actualidade, operando em dois segmentos:  MELLEO HARMONIA 19~21, dedicado ao repertório musical dito moderno; e MELLEO HARMONIA ANTIGUA, dedicado integralmente à música escrita entre os séculos XVI e XVIII. 

 
MH1921_final.png

MELLEO HARMONIA III 19 ~21


MELLEO HARMONIA III 19 ~21


 
 
 

Com direcção musical de Joaquim Ribeiro, MELLEO HARMONIA 19~21 dedica-se ao repertório musical escrito desde o século XIX até à actualidade.

Assumindo uma grande flexibilidade na sua composição, desde ensemble de Câmara à formação orquestral, congrega reconhecidos solistas das principais orquestras portuguesas.

Embora se tenha formado apenas em 2016, conta já com apresentações no Centro Cultural de Belém, Centro Cultural de Cascais, Casa das Histórias da Paula Rego, entre outras, bem como gravações em directo pela Antena2.


JOAQUIM RIBEIRO

Director Musical

BIO_JOA.png

Joaquim Ribeiro foi, em 1988, o 1º Prémio Jovens Músicos na categoria de clarinete da história do certame. Do seu currículo consta ainda o 1º Prémio do Concurso Nacional da Juventude Musical Portuguesa, o 2º Prémio do Concurso de Clarinete de Setúbal, assim como o 1º Prémio Jovens Músicos na categoria Música de Câmara, com o Quarteto de Clarinetes de Lisboa, grupo com o qual obteve ainda o Prémio Cultura e Desenvolvimento e o Prémio Artes e Ideias.

Licenciou-se em Clarinete na Escola Superior de Música de Lisboa com as mais altas classificações.

Joaquim Ribeiro é clarinete solista da Orquestra Sinfónica Portuguesa e Sargento Mor Subchefe da Banda Sinfónica da GNR.

Do seu percurso resulta a apresentação regular nos principais festivais de música nacionais e internacionais, bem como a gravação de diversos Cd’s, sendo D’Addario Artist e Selmer Artist.

É Mestre em Direcção de Orquestra pelo Instituto Piaget, tendo-se graduado em Dijon, no Conservatório de Música J. Ph. Rameau, com o reconhecido Maestro Jean-Sébastien Béreau, período em que o seu empenho e sensibilidade lhe valeu a classificação de Très Bien pelo certificado CEFM e a Médaille de L’argent correspondente ao certificado DEM.

Trabalhou posteriormente com Felix Hauswirth e Michael Fennell.

Tem dirigido obras de compositores tão variados como Marcos Portugal, L. W. Beethoven, Charles Gounod, Antonín Dvoräk, Johannes Brahms, Igor Stravinsky, Arnold Schoenberg, Luís de Freitas Branco, Richard Wagner e Gustav Mahler, entre outros.

 
MHA_final.png

MELLEO HARMONIA III ANTIGUA


MELLEO HARMONIA III ANTIGUA


 
LOGO_MHAN_1.png
 
 

MELLEO HARMONIA foi criado em 2012 como grupo de música de Câmara inteiramente votado à música antiga, tendo operado sob direcção musical e artística de Jenny Silvestre nos diferentes programas apresentados.

Com a criação, em 2016, do segmento MELLEO HARMONIA 19~21, o grupo assumiu a designação ANTIGUA, tendo-se aberto igualmente a porta da direcção musical a solistas consagrados, como é o caso do flautista António Carrilho.